On Line

Pais e Filhos - Análise da Música

Written By Professora Graciele on sábado, 23 de abril de 2011 | sábado, abril 23, 2011

Análise da Música:



Pais e Filhos
Estátuas e cofres
E paredes pintadas
Ninguém sabe
O que aconteceu…
Ela se jogou da janela
Do quinto andar
Nada é fácil de entender…
Dorme agora
Uuuhum!
É só o vento
Lá fora…
Quero colo!
Vou fugir de casa
Posso dormir aqui
Com vocês
Estou com medo
Tive um pesadelo
Só vou voltar
Depois das três…
Meu filho vai ter
Nome de santo
Quero o nome
Mais bonito…
É preciso amar as pessoas
Como se não houvesse amanhã
Por que se você parar
Prá pensar
Na verdade não há…
Me diz, por que o céu é azul
Explica a grande fúria do mundo
São meus filhos
Que tomam conta de mim…
Eu moro com a minha mãe
Mas meu pai vem me visitar
Eu moro na rua
Não tenho ninguém
Eu moro em qualquer lugar…
Já morei em tanta casa
Que nem me lembro mais
Eu moro com os meus pais
Huhuhuhu!…Oh! Oh!…
Sou uma gota d'água
Sou um grão de areia
Você me diz que seus pais
Não lhe entendem
Mas você não entende seus pais…
Você culpa seus pais por tudo
E isso é absurdo
São crianças como você
O que você vai ser
Quando você crescer?…


Análise:

       Como todos sabem,essa linda composição, retrata o suicídio de uma menina.
      Renato Russo faz questão de enfatizar o absurdo do ato quando ele descreve com detalhes a riqueza e o conforto que cercavam a personagem, "Estátuas, cofres e paredes pintadas” nos dão a clara ideia da suntuosidade na qual ela vivia. " Ninguém sabe o que aconteceu…"mostra a despreocupação da sociedade em relação a situações como essa."Ela se jogou da janela do quinto andar nada é fácil de entender…" com essa frase mostra a certeza do suicídio."Dorme agora Uuuhum! É só o vento lá fora…" esse dormir,quer dizer a morte da menina,nada mais existe a não ser um vento que até se pode escutar."Quero colo! vou fugir de casa posso dormir aqui com vocês estou com medo tive um pesadelo só vou voltar depois das três…" essa parte da música é bem simples,mostra a falta de sintonia entre uma família, ao mesmo tempo  em que a menina quer colo, ela foge de casa,e ao mesmo tempo em que ela quer dormir com seus pais por causa do pesadelo,ela vira e fala que vai sair e só volta depois das três,e durante toda a noite tem certeza de que não precisará deles.

        "É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã por que se você parar pra pensar na verdade não há…"

Continue a leitura na fonte abaixo.

2 comentários:

DIAS disse...

Caramba! Na canção Pais e Filhos quase todos falam desse suicídio e dessa menina, não consigo enxergar desta maenira... Percebo que essa parte da música é a narrativa de um pesadelo: "Estátuas e cofres / E paredes pintadas / Ninguém sabe o que aconteceu… // Ela se jogou da janela / Do quinto andar / Nada é fácil de entender… // Dorme agora Uuuhum" Daí então ele começa mostrar os conflitos desse(a) jovem, conflitos estes que poderiam ter lhes trazido o pesadelo já narrado, a necessidade de colo, a fuga de casa ou mesmo dos pais. Mas concordo perfeitamente com o que tá bem explícito, a parte que trada o seguinte... "Meu filho vai ter / Nome de santo / Quero o nome / Mais bonito…
// É preciso amar as pessoas / Como se não houvesse amanhã / Por que se você parar / Prá pensar /Na verdade não há…" mostra realmente o desejo que os pais tem de que os filhos sejam certinhos, (ninguem coloca o nome de lúcifer nos filhos), mas enfim, como se fosse um lembrete do autor (Renato Russo) para os pais ele continua dizendo que é preciso amar os filhos, "independente de como eles sejam" como se não houvesse amanhã.

Já nesta outra parte da música: "Me diz, por que o céu é azul / Explica a grande fúria do mundo / São meus filhos / Que tomam conta de mim… // Eu moro com a minha mãe / Mas meu pai vem me visitar / Eu moro na rua / Não tenho ninguém / Eu moro em qualquer lugar…" Ao contrário do que muitos dizem de que ele mostra um personagem que vive várias situações diferentes diante de seus conflitos e indecisões noto que Renato na verdade muda sua narrativa, ele não só mostra mais os conflitos e incertezas da personagem, mas ele passa expressar-se por meio de várias pessoas diferentes, num momento ele expressa sendo o pai querendo entender a fúria do mundo, depois, outro pai que é cuidado pelos filhos, noutro momento ele é o filho, vários filhos, jovens de diferentes situações, um que mora com os pais, outro que mora na rua, outro que mora em qualquer lugar.. enfim vai tentando se identificar com diversos jovens.

E por fim... "Sou uma gota d'água / Sou um grão de areia / Você me diz que seus pais / Não lhe entendem / Mas você não entende seus pais… // Você culpa seus pais por tudo / E isso é absurdo / São crianças como você / O que você vai ser / Quando você crescer?…"
Realmente estar claro que ele quer mostrar que pais e filhos continuam sem se entender, mas novamente entra o autor dando conselhos para os dois, para o filho, quando diz que o pai não entende é ele que não entende os pais, pois os pais também tem sonhos e planos como crianças, que os pais são aquilo que os filhos também se tornarão ou serão no futuro.

Anônimo disse...

Gente vamos parar de "interpretar"na verdade é o que esta escrito ou não necessariamente.Pode ter sido só uma construção poetica,só isso

Postar um comentário

Deixe sua Mensagem!

Flickr

Pesquisar Blog

Carregando...
 
berita unik